Artigos Publicados

Vencendo Barreiras


Por Katia Luz Escobar*

Rompendo com padrões negativos, culpas e crenças para reconectar-se com o ciclo natural da vida, a abundância.

“A natureza é sábia e abundante, nós somos idênticos a ela”, diz Joneysa M Silveira

Vivemos hoje sob a pressão dos limites, valorizamos, sem dúvida, nossas crenças e culpas que nos transformam em eternos sofredores. Desejamos a abundância conscientemente, mas não nos preparamos ou somos preparados para ela no nosso inconsciente. Para transformar  essa imposição é preciso limpar o “porão”, repadronizar nossa memória celular, vivenciando nossa força interior, permitindo sua manifestação para alcançarmos a felicidade desejada.

“Criando Abundância” é o nome do workshop de um dia, orientado pela terapeuta floral e astróloga Joneysa M Silveira, 48, seguidora de Sabina Pettitt. Esse trabalho ajuda a praticar  a consciência da abundância , reconhecer de forma simples nosso real merecimento, resgatando nosso amor próprio e confiança. Isso é alcançado através de exercícios de visualização e rituais simbólicos que desmistificam nossos padrões negativos, dando lugar a atitudes positivas, com o objetivo de criar um novo referencial. Como por exemplo, acreditar que tudo em nossa vida pode dar certo, deixando de nos preocupar, permitindo o fluir da prosperidade. No workshop e na programação de 21 dias que dá seguimento ao trabalho, a terapeuta utiliza também florais e aromaterapia que juntos nos libertam com suavidade de nossas atitudes limitadoras.

Ao ouvirmos a palavra abundância logo lembramos de riqueza material, mas ela está associada a todas as áreas de nossa vida. “A maioria das pessoas que vêm fazer esse trabalho tem o objetivo financeiro”, diz Joneysa, “mas com o passar das horas essa meta muda, as vezes para o plano emocional, espiritual e até mesmo físico”. Segundo ela, a abundância pode se manifestar em qualquer uma dessas áreas. “Você pode trabalhar isso individualmente e muitas vezes trabalhando apenas uma delas as outras vão se beneficiando”, conclui.

* Kátia Luz Escobar, jornalista e editora do jornal Aquarius, onde esse artigo foi publicado em outubro de 1999.